18 dezembro 2007

PONTOS CANTADOS PARA SESSÃO DE EXU


PONTO DE ABERTURA

Santo Antônio que és de ouro fino
Suspende a bandeira e vamos trabalhar
Iniciando nossos trabalhos nós pedimos a proteção
A Deus pai todo poderoso e a Mãe da Conceição
Óh Rei, Oh Rei, Oh Rei
Oh Rei, Oh Rei
Oh Rei, Oh Rei Real
Rei Real Rei Real
Estão batendo na porta
A meu Deus quem será
É são Jorge o guerreiro
Ele veio trabalhar
Abre a porta Umbanda
Deixa então São Jorge entrar
Ele veio de Aruanda
Pra seus filhos salvar
Lá no mato tinha um toco
Que o machado não cortou
Era a espada de São Jorge
Que Arranca Toco plantou

HINO DA UMBANDA

Refletiu a luz divina
Com todo seu explendor
Vem do reino de Oxalá
Onde há paz e amor
Luz que refletiu na terra
Luz que relfetiu no mar
Luz que veio de Aruanda
Para todos iluminar
A Umbanda é paz e amor
É um mundo cheio de luz
É a força que nos dá vida
E a grandeza nos conduz
Avante filhos de fé
Como a nossa lei não há
Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá
Levando ao mundo inteiro
A bandeira de Oxalá

SAUDAÇÃO A PAI OXALÁ

Oxalá velhinho
Oxalá camafodé
Oxalá de Oromilaia
Oxalá é da Umbanda
Quando sair o sol
Eu vou entrar nas matas
Vou falar com Oxóssi, Jurema, Oxóssi é caçador

SAUDAÇÃO A MÃE IEMANJÁ

Iemanjá mamãe Iemanjá
Mãe Iemanjá vamos saravá
É lá no mar
Quem toca na canoa passarinho voa
Quem manda lá no mar
É Iemanjá
Ela é rainha lá do mar
Mãe Iemanjá
Eu vou mandar flores pro mar
Pra Iemanjá
Rema reama lá no mar
Óh Iemanjá

SAUDAÇÃO A MÃE OXUM

O lírio que dá no campo
Na água nasce uma flor
Era flor de Oxum Pandá, Oxum Maré e Oxum Docô

SAUDAÇÃO AO CACIQUE PAI OGUM DA LUA

Pai Ogum mora na mata escura
Sentado num tronco ele olha e vê a lua
Um cobra venenosa, sucuri assobiou
Ogum da Lua lá na mata é vencedor

SAUDAÇÃO AO CACIQUE PAI OGUM BEIRA-MAR

A sua espada brilha ao raiar do dia
Ogum Beira Mar é filho da Virgem Maria
Ogum Beira Mar olha a maré
Beira Mar nas pontas do Humaitá

SAUDAÇÃO AO REI BELZEBUTH

Olha Belzebuth, Olha Belzebuth
Olha Belzebuth, Olha Belzebuth
Estão te chamando na Quimbanda, olha Belzebuth
Estão te chamando na Quimbanda, olha Belzebuth
Se Deus é bom
O Diabo não é mal
Ele matou um gato preto na figueira a meia noite
Olha Belzebuth
Ele matou um gato preto na figueira a meia noite
Olha Belzebuth

SEU SETE (PONTO DE CHAMADA)
Seu Sete chegou
Dando a sua gargalhada
Ele vem lá do Cruzeiro
Seu Sete chegou

O Seu Sete deu sete gargalhadas
Ele girou ele vai girar
Alupa ê Alupa ê Alupa á
Alupa ê Alupa ê Alupa á
Salve o Seu Sete Cruzeiro
Salve a sua encruzilhada
É quimbandeiro é, é quimbandeiro é
É quimbandeiro é, é quimbandeiro é

Caboclo Roxo comedor de carne crua
Firma seu ponto no meio da rua
Gira o Sol
Gira a Lua
Chegou Sete Encruza

No meio da Rua
Eu vinha vindo devagar devagar vim bem ligeiro
Para saudar a falange do Sete Cruzeiros
Gira o Sol
Gira a Lua
Chegou Sete Encruza
No meio da Rua

POMBA GIRA RAINHA DAS SETE ENCRUZILHADAS

Eu vi uma Leba na beira da estrada, uma Leba
Uma Leba
Uma moça bonita de saia rodada, uma Leba
Uma Leba
E a Leba girava e dava gargalhada, uma Leba
Uma Leba
É a Rainha da Sete Encruzilhadas, uma Leba
Uma Leba
Aruê aruandê
Exuê exuê
Aruê aruanda
Exú é mojubá, exú é mojubá


A Rainha chegou no reino
A Rainha no reino chegou

Ela vem lá do cruzeiro
Foi Seu Sete quem mandou

Ela sacudiu os ombros
Ela se balanceou

Ela vem lá do Cruzeiro
Foi Seu sete quem mandou

RAINHAS FAZEM OBRIGAÇÃO COM SEU SETE

Ela tem a cabeça coroada
E vem girando com sua saia rodada
Exú venham ver
A sua gargalhada
Exú venham venham ver
Rainha da Encruzilhada


SAUDAÇÃO AOS EXÚ DE FRENTE DO TERREIRO

Destranca Ruas destranca meu caminhos
Que foi trancado pelo povo pequenino
Destranca Ruas destranca meus cruzeiros
Que foi trancada pelo povo macumbeiro
Destranca seu Destranca que assim não vai ficar
E leva leva leva tudo pro fundo do mar


O sino da igrejinha faz bélem blem blão
O sino da igrejinha faz bélem blem blão
Deu meita noite e o galo já cantou
Destranca Ruas que é o dono da gira
E corre gira que Exú mandou
Destranca Ruas que é o dono da gira
E corre gira que Exú mandou
Ele é o Bará da rua
Bará Exú
Bará da rua
Saravá Destranca Ruas


Ele é Exú Tiriri Lanã
Lanã cadê o Tiriri
Ele veio de Aruanda
Foi Pra salvar filhos da Umbanda
Exú Tiriri Lanã


Eú mora na terra dourada
Onde não passa nada e nem brilha o sol
Ele é João Caveira é
Ele é o senhor das almas da calunga é
Ele é João Caveira é
Ele é o senhor das almas da calunga é


Deu meia noite é na terra é no mar
É no mar é na calunga é em todo lugar
Seu Meia Noite não tem hora pra chegar
Quando chega a meia noite chega em qualquer lugar


Comigo ninguém pode mas eu posso com tudo
Na minha encruzilhada eu me chamo Exú Veludo

Auê Exú Veludo seu cabrito deu um berro
Auê Exú Veludo seu cabrito deu um berro
Arrebentou cerca de arame
Estourou portão de ferro

Exú ganga Exú ganga é Marabô
Exú ganga Exú ganga é Marabô
Eu fui no mato gangá colher cipó gangá
Eu vi um bicho gangá de um olho só

Eu estou estou aqui
Quem é que me chamou
Eu sou eu sou Exú
Exú de Marabô

Se é Bará eu não sei
Se é Exú também não
Eu só sei que ele veio de lá
Para trazer a proteção
Corre corre Pomba-Gira
Deixa a Gira girar
Corre corre Pomba-Gira
Exú Bará vem trabalhar

CHAMADA DE TODOS OS EXÚS

Eu vou eu vou
Eu vou mandar chamar meu povo
Eu vou eu vou
Eu vou mandar chamar meu povo
Eu vou mandar chamar meu povo
Lá da sete encruzilhadas
Eu vou mandar chamar os exús
Sem exú não se faz nada

Eu vi as cobras se arrastando
Era os exús que estão se aproximando
Alalupe Arueira, Alalupe arueira,
Alalupe arueira o exú abre a porteira


RODA DE EXÚS

Exú Maré, Maré, Maré
Afirma o seu ponto levanta quatro pés
Afirma o seu ponto vem chegando Exú Maré

Marinheiro é hora, é hora de botar barco no mar
É céu, é terra é mar
Marinheiro olha as ondas do mar

La no portão do cemitério
Tem um pé de bananeira
Que se chama Exú Maré
Auê Exú Maré, Auê Exú Maré

Portão de ferro cadeado é de madeira
O dono da calunga ainda é Exú Caveira
Caveira, Caveira
O seu povo lhe chama pra trabalhar
Olha lá quem vem lá
Descendo a ladeira
Olha lá quem vem lá
É o Exú Caveira

Eu vinha caminhando e pedi benção
Pro velho Omulú atoto Obaluaê
Eu vinha caminhando e pedi benção
Pro velho Omulú atotô Obaluaê
Atotô Obaluaê
Atotô Baba
Atotô Obaluaê
Atotô Baba

Atotô Obaluaê Amazoquê
João Caveira é nosso rei
Atotô Obaluaê Amazoquê
João Caveira é nosso rei
Exú traz a proteção muita força e união, atotô aê
João Caveira é nosso rei
Atotô aê
João Caveira é nosso Rei
Atotô
Obaluaê

Exú da Meia Noite quando pega é pra matar
Faz magia negra vem com seu quaráquáquá
Auê quáquáquá
Que linda risada o Exú vai dar

Você não sabe onde eu moro
Você não vê o que eu vi
Lá no meio do cruzeiro
Ele é o Exú Tiriri
O Tiriri é um ser é belo
É um belo Exú

Papai gira
Mamãe gira
O lerê, lerê, lerê
Eu vou girar também
Gira mamãe
Gira papai
Filho que é filho de Umbanda não cai

Exú do Lodo do lodo ele é Lodê
Cadê esse Exú que agora eu quero ver

Seu Sete Covas Seu Sete Catacumbas
Exú do Lodo veio pra levar toda a macumba

Exú do Lodo que linda garoa
Que está caindo lá no cemitério
Chuva fina ou chuva miúda
Está molhando a sua catacumba
Tá tá tá
Catacumba tá tremendo

PONTOS DE EXÚS

O luar o luar Exú
O luar
Ele é dono da Rua
O luar
Quem cometeu as suas faltas o luar
O luar
Peça perdão ao Destranca Ruas
Tanto sangue derramado o luar
Derramado pelo chão
Quem cometeu as suas faltas o luar
O luar
Peça perdão ao Destranca Ruas

O lua, eu andava destraído pela rua a caminhar
Foi quando olhei para o céu
Eu vi o brilho do luar
O lua, só você é meu amigo pra você eu vou cantar
Vou te saudar na madrugada
Com todo o seu explendor
Só quem gira pelo dia e na noite
Sabe o que é a magia e o amor

Marabô aê, Marabô modibau exú
Olha a gira de Marabô ê
Olha gira de Marabô á
Cruz de ferro pó de mico
Saravá seu Marabô
Ele é chefe de terreiro
Na linha de Nagô
Marabô é chefe de terreiro
Na linha de Nagô

Exú louvei, Exú louvei as almas
Louvei a morada de exú louvei a noite e a madrugada
Saravá Exú Tiriri
Exú Rei da Encruzilhada
Na banda de Tranca Ruas
Tiriri foi coroado

Ele é capitão da encruzilhada ele é
Ele é ordenança de Ogum
Sua coroa que lhe deu foi Oxalá
Sua espada que lhe deu foi Omulú
Salve o Sol, Salve a Terra, Salve a Lua
Saravá Destranca Ruas que é o dono da gira no meio da rua

O seu Tatá chegou
Lá no alto da calunga
Exú já foi coroado
Com suas ponteiras de guerra
Ilumina o mundo
Ilumina o Mar
Ilumina as trevas
Cidade de Satanás

É Marabô é Marabô
É Marabô
Lá na calunga
Exú Marabô
E no portão
Exú Marabô
Na cruza das lamas
Exú Marabô
Neste terreiro onde ele nasceu e se criou
É Marabô é Marabô
É Marabô
Lá na calunga
Exú Marabô
E no portão
Exú Marabô
Na cruza das lamas
Exú Marabô
Salve Exú Maré, Tranca Ruas e Marabô
É Marabô é Marabô
É Marabô

Papai gira
Mamãe gira
O lerê, lerê, lerê
Eu vou girar também
Gira mamãe
Gira papai
Filho que é filho de Umbanda não cai

Cemitério é praça linda
Mas ninguém passeia lá
Depois da hora grande
João Caveira mora lá
Mora lá, mora lá
João Caveira mora lá

É de Bará Omulú
Olha ganga Exú é de Bará
É de Bará eléo eléo
Olha ganga Exú é de Bará

Omulú aê
Omulú á á
Atotô das almas
Omulú aê
Salve salve salve a calunga

Omúlu está na banda de nagué
É de nagué leô
Omulú tanajala
Na jala de laô

Omulú Omulú Obaluaê ao Exú
Omulú Omulú Obaluaê ao Exú

Eu vi sete facas de ponta
Em cima de uma mesa
Sete velas acesas
Lá na encruzilhada
Exú é Rei
Alupandê Exú
Exú é Rei lá nas sete encruzilhadas

Exú da meia noite
Exú da encruzilhada
Saravá ao povo de Aruanda
Sem Exú não se faz nada

A meu Rei
Ô ô ô
Minha vida é ser boemio
A meu Rei
Iluminai o meu terreiro
Foi no clarão da lua
Que ilumina a madrugada
Aê, ô aê
É que eu faço da rua eterna morada
Por que sou o Meia Noite
Eu sou filho da noite estrelada
Não sou homem de uma mulher só
Toda mulher é minha amada

Caveira eu estou te chamando
Caveira e todo o seu bando
É Tiriri é Marabô
Exú Rei da Encruzilhada
Salve o povo em Aruanda
Sem Exú não se faz nada
Eu falei agora
Agora vou falar da mulher
Mulher de Cabaré
Ô mulher, mulher
Maria Mulambo na lixeira
Maria Padilha na Calunga
Pomba Gira Rainha das Almas
Gira lá na catacumba

Pombinha voou
De cima de uma tumba
Eu vou chamar João Caveira
Caveirinha da Calunga

Caveira Caveirinha Caveira da meia noite
Caveira Caveirinha Caveira da Meia Noite

PONTOS DE POMBA-GIRA

Na sexta-feira eu vou levar na encruzilhada
Uma oferenda que pra todo mundo ver
Galinha preta com farofa amarela
Dendê em cima que é pra Gira trabalhar
Mas de quem é essa galinha
É da Pomba-Gira
Galinha preta não se deve depenar
Colocar dendê em cima e dar pra Gira trabalhar

Ina ina modibau ina ina modibau
Exú pomba-Gira é
Ina ina modibau ina ina modibau
Exú na ponta do pé

Iansã foi quem me deu força
Ela é rainha do camdomblé
Vamos saravá nossa rainha pomba-gira
Ela é exú mulher

Eu vou chamar todas as Marias
Maria Mulambo, Maria Quitéria e Maria Padilha

Auê Maria Padilha Maria padilha do cabaré
Afirma ponta curimba
Que ai vem chegando a mulher
É noite de cabaré, noite de cabaré
Exú Maria Padilha é essa mulher
Exú Maria Padilha vou contar o que coê fez
Matou um homem dormindo, uma criança e uma mulher
É noite de cabaré, noite de cabaré
Exú Maria Padilha é essa mulher

Você sabe quem sou eu
Eu giro ao meio dia
Eu giro a meia noite
Eu giro a qualquer hora
Você sabe quem sou eu você sabe quem sou
Eu sou Exú Mulher
Alupandê Pomba-Gira alupandê
Eu passei a noite inteira esperando por você

Ela é Maria Padilha
Mulher da máfia e também de Lucifer
Ela gira na noite escura
O seu feitiço está na ponta do seu garfo está debaixo do seu pé
Lhe chamam de leviana
Leviana eu sei que eu não sou
Leviana se perde no caminho
Eu sou feita de amor
Lhe chamam de leviana
E até mesmo mulher de cabaré
Mas a língua do povo não tem osso
Então deixa esse povo falar

Abre essa cova eu quero vê tremer
Abre essa cova eu quero ver balancear
Maria Padilha das Almas
O cemitério é o seu lugar
É no buraco que a Padilha mora
É no buraco que a Padilha vai morar

As sete covas se abriram
Peço licença para entrar
Sou Pomba-Gira Sete Saias
Sou eu que vou girar

Padilha o seu nome é lembrado demais
Padilha Exú Mulher
Tem nove homens na porta do cabaré
A Padilha tem nove homens na Porta do cabaré

Juraram de te matar
Na porta do cabaré
Tu és Pomba-Gira faceira
Tu és Pomba-Gira mulher
Tués a Maria espinho
Na cabeça de quem quer

Tenda teda iô Pomba-Gira tenda eró
Tenda teda iô Pomba-Gira tenda eró
A qui qui a nagorô a qui qui a nagorô
Aê aê o ganga
É de omuló
Ela é um farrapo só

Arreda homem que ai vem mulher
Ela é a Pomba-Gira rainha de Lucifer
Tranca Ruas vem na frente pra dizer quem ela é

Se você tem patuá e não sabe usar
Vai falar com a mulher que ela vai te ajudar
Alupandê pra Maria passar
Abre essa roda que a Mulambo vai girar

Moço você conhece aquela moça
Que trabalha no escuro
Catando osso
Osso por osso
Ela é Maria Mulambo
Ela é Maria mulher
Ela trabalha na figueira das almas
Ela é Maria Mulambo

GIRA DO AMOR

Não te quero um dia
Não te quero uma noite não
Eu te quero por toda a minha vida
A Mulambo sabe
A Padilha vê
A Quitéria comenta que eu amo você

Sete sete vezes chamei
Sete vezes chorei
Sete vezes te procurei
Pra te conquistar
Ser sua Rainha
Para sempre eu vou te amar

Eu volto ao jardim
Com a esperança de te encontrar
Eu falo com as rosas
Mas as rosas não falam
Simplesmente exalam
O perfume do amor

Rosa vermelha
Rosa vermelha encarnada é sagrada
Rosa vermelha pra Pomba-Gira da Sete Encruzilhadas
Ela vem girando, girando, girando e dando risada
Cuidado amigo ela está de saia rodada



Um comentário:

Anônimo disse...

muy buenos puntos para Exû :) algunos los cantamos en el templo :D

te dejo mi mail x si queres compartir alguna idea o algo :D

Dw-MeLKoR@hotmail.com
Cristian es mi nombre :)